O Campeonato Bonfinense que revelou Bobô para o futebol começa domingo

O campeonato Bonfinense que revelou inúmeros craques para o futebol Brasileiro, começa domingo, dia 18, com transmissão da Rádio Caraíba,DOMINADOS X BONFINENSE, às 17 horas.

Algumas revelações do campeonato Bonfinense :Edinho Baiano Para o Vitória,Márcio Overlan para a Catuense,Fábio Bahia para o Goiás,Rafael Batatinha para o Santa Clara de Portugal,Zé Ramos para o Ypiranga,Di para o Fluminense de Feira,Natan para o Atlético de Alagoinhas,Sassá para o Ipitanga,Ostinho para o Feirense,Aldino para o Galicia,Edimar para o Ipitanga,Tinho Bahia para o Icasa,Máx para o Bahia de Feira,Jonathan para o Jequié,Cleito para o Galicia entre outros.

Edinho Baiano

Dono de um currículo único no futebol paranaense, Edinho Baiano fincou o pé em Curitiba para iniciar nova empreitada. O ex-zagueiro, ídolo da torcidas de Paraná Clube, Atlético e Coritiba, deixou os atacantes adversários de lado e agora corre atrás de dirigentes e investidores na atividade de empresário de atletas de futebol.

Edinho, 40 anos, é o único jogador a ser campeão pelos três grandes de Curitiba. E não foram poucas taças. No Tricolor, foi tetracampeão estadual em 1994, 95, 96 e 97. Mudou-se em 1998 para a Baixada e levantou mais um caneco. E em 2003, após passagens por Vitória (BA) e futebol japonês, vestiu a camisa coxa-branca e, para variar, ganhou outro troféu.

A carreira de empresário começou já no último ano como atleta profissional, em 2006, quando defendia a Portuguesa Santista. Em dois anos de atividade, a ?carta? de jogadores de Edinho ainda é pequena. O mais conhecido é Kelly, que acaba de assinar contrato com o Atlético.

O ex-zagueiro representa o atleticano em parceria com outro empresário, Luiz Gustavo Manhães. Outro ?pupilo? é o zagueiro Jonas, que passou pelo Grêmio-RS e hoje joga no Boulogne, da 2.ª divisão da França.

Edinho conta que seu forte atualmente é a função de intermediário entre clubes e outros empresários. Ele diz que já ajudou a levar o atacante Flávio (ex-Paraná e J. Malucelli) ao Japão, o zagueiro Alexandre Luz (ex-Coritiba) e o meia Geovani (ex-Santos) ao Qatar e o técnico Hélio dos Anjos e o preparador físico Robson Gomes à seleção da Arábia Saudita. ?Alguns empresários têm jogadores mas não têm negócio. Comigo, por enquanto, é o contrário?, brinca Edinho.

Fábio Bahia

Fábio Júnior Nascimento Santana, mais conhecido como Fábio Bahia (Senhor do Bonfim2 de novembro de 1983) é um futebolista brasileiro que atua como volante. Atualmente defende o São Bento.

Carreira

Mesmo nascendo na Bahia, Fábio começou sua carreira no futebol goiano atuando pelas categorias de base do CRAC, até assinar com seu primeiro clube profissional, o Vila Nova. Após quatro anos pelo Tigre, Fábio Bahia assinou com o Goiás onde permaneceu durante por cinco anos.[1] Em 2010 chegou a passar pelo Bahia onde disputou 30 jogos e tendo conseguido marcar dois gols.

No ano seguinte teve uma passagem pelo futebol coreano atuando pelo Incheon United. No temporada de 2012 foi contratado pelo Guarani visando a disputa do Campeonato Paulista e da Série B.[2] Em 2013 foi contratado pelo Sport.[3] No ano seguinte assinou com o Mirassol, durante sua passagem pelo time paulista marcou apenas um gol contra o Catanduvense.

Ainda em 2014 foi anunciado como reforço do ABC para a disputa da Série B.[4] Estreou pelo alvinegro numa derrota por 3 a 1 para o Luverdense. Após o fim da temporada renovou o ABC para a temporada de 2015. Com a saída de Leandro Amaro do time potiguar, Fábio Bahia recebeu a braçadeira de capitão. Sem renovar com o ABC assinou com o São Bento para a temporada de 2016.

Títulos

Vila Nova
Goiás
ABC

Prêmios Individuais

Sassá

Artilheiro do campeonato baiano em 2010 e 2011 jogando pelo Ipitanga, o atacante Sassá foi contratado pelo Bahia até o final de maio. Mas o baiano de 24 anos pode nem mesmo vestir a camisa do Tricolor baiano.

É que Sassá será emprestado até maio para o Feirense, onde ficará sob observação do comando técnico do Esquadrão, que, caso aprove o seu desempenho na Copa do Nordeste e no Campeonato Baiano pelo time de Feira de Santana, será aproveitado pelo Bahia no Campeonato Brasileiro.

Revelado pela seleção de Senhor do Bonfim no Campeonato Intermunicipal de Seleções da Bahia, Sassá já defendeu Galícia, Vila Nova-GO e Ipitanga, onde se destacou sendo artilheiro do Baiano por dois anos consecutivos. Em 2011, foi negociado para o futebol português, tendo uma apagada passagem pelo Paços de Ferreira, onde não marcou nenhum gol.

Caso consiga vestir a camisa do Bahia, Sassá estará realizando um sonho de criança. Em entrevista ao A Tarde Esporte Clube, em 2011, confessou ser torcedor do Esquadrão: “Todo mundo lá em casa é tricolor. Eles ficam com raiva (quando faço gols no Bahia), mas depois entendem que é meu trabalho. Eu tenho o sonho de jogar pelo Bahia. Minha família também ficaria feliz seu eu jogasse lá”.

Revelamos Bobô

Raimundo Nonato Tavares da Silva, mais conhecido como Bobô (Senhor do Bonfim26 de novembro de 1962), é um ex-futebolista brasileiro, que atuava como atacante e meia, que despontou no Bahia, com destaque também em clubes como São Paulo e Fluminense.

Como jogador

Um dos maiores ídolos do Bahia, Bobô foi o líder da equipe comandada por Evaristo de Macedo, que surpreendeu a todos e conquistou o Campeonato Brasileiro de 1988.

Bobô começou sua carreira na Catuense e, em seguida, foi contratado pelo Bahia, clube que defendeu entre 1984 a 1989.

Em 1989, portanto, após a conquista do Brasileirão pelo Bahia, Bobô teve seu passe negociado com o São Paulo pela soma de U$ 1 milhão, valor exorbitante para os padrões da época[1]. No começo, Bobô rendeu bem no time, fazendo o seu primeiro gol em um clássico contra o Palmeiras, até então invicto no Campeonato, e depois, conquistando um título que parecia impossível. No Brasileirão, após má campanha no primeiro turno, Bobô, juntamente com RaíMário Tilico e outros, levou o time a final do Brasileirão, sendo derrotado pelo Vasco da Gama. O rendimento de Bobô no clube paulistano em 1990 ficou muito aquém do esperado, de acordo com a mídia local. Ele assim como outros jogadores, na época, chegava a jogar sem contrato. A má campanha da equipe no Paulistão daquele ano, ao terminar o torneio na 15ª posição[2], fez com que o jogador acabasse sendo emprestado ao Flamengo.

A má fase de Bobô continuou no Flamengo e o São Paulo acabou negociando o jogador com o Fluminense. No tricolor carioca, voltou a viver um bom momento em sua carreira, quando compôs um eficiente ataque ao lado de Ézio.

Depois disso, o jogador ainda teve rápidas passagens por Corinthians e Internacional. Todavia, em 1996, com apenas 34 anos de idade, Bobô vestiu a camisa do Bahia mais uma vez, a fim de encerrar sua carreira no clube em que virara ídolo.

Bobô também jogou pela Seleção Brasileira, disputando três partidas no ano de 1989.

Em virtude do título do Campeonato Brasileiro de 1988 pelo Bahia foi homenageado por Caetano Veloso na música Reconvexo“quem não amou a elegância sutil de Bobô”.

Como treinador

Entre 2002 e 2003, Bobô teve a oportunidade de voltar a defender o Bahia, desta vez a frente da equipe como treinador.

Como político

O ex-jogador virou Diretor Geral da Superintendência dos Desportos do Estado da Bahia (SUDESB) em 2007, e saiu do cargo em 2014. Bobô foi acusado, em 2007, como um dos responsáveis pela morte de sete torcedores, quando parte da arquibancada do Estádio da Fonte Nova cedeu em 25 de Novembro daquele ano, mas ele acabou sendo absolvido em 2010.[3][4]

Em 2014, se candidatou a deputado estadual pelo PCdoB, sendo eleito com mais de 27 mil votos.[5]

Títulos

Como jogador

Bahia
São Paulo
Flamengo
Fluminense
Internacional

Títulos

Como treinador

Prêmios individuais

Bola de Prata: 1988 e 1989