Acusado de receber propina da Odebrecht, ex-presidente do Peru é alvo de prisão preventiva

Acusado de receber propina da Odebrecht, ex-presidente do Peru é alvo de prisão preventiva

O ex-presidente do Peru, Ollanta Humala, e sua esposa, Nadine Heredia, foram presos na noite desta quinta-feira (13). Após um juiz decretar 18 meses de prisão preventiva para o casal, eles se entregaram ao Tribunal Penal Nacional do país. Os dois são acusados de lavagem de dinheiro, relacionada a doações irregulares da Odebrecht para a campanha presidencial de 2011. Segundo informações do G1, ao requerer a prisão, o promotor Germán Juárez apontou que o casal deveria ser preso antes do julgamento para evitar que eles fugissem ou interferissem na investigação. Juárez usou como base os depoimentos do ex-presidente da empreiteira, Marcelo Odebrecht. Ele contou ter entregado US$ 3 milhões para a campanha de Humala e que esse “apoio” foi a pedido do PT. Responsável pelas denúncias de pagamento de propinas no Peru pela empreiteira, o juiz Richard Concepción acatou o pedido. “Uma ordem internacional de captura imediata foi emitida”, apontou o magistrado. Em sua defesa, o ex-presidente usou o Twitter para reclamar da decisão. “É a confirmação do abuso do poder, que nós faremos frente, em defesa dos nossos direitos e dos direitos de todos”, compartilhou na rede social. Humala não é o primeiro ex-presidente do país a ser preso. Em fevereiro, o mesmo juiz determinou a prisão de Alejandro Toledo, que governou o Peru de 2001 a 2006. Ele é suspeito de receber US$ 20 milhões em propina da Odebrecht.

Informações do G1